Fernando Quintella

Fernando Quintella

E lá se vão 33 anos. Inagurado em 7 de setembro de 1975, o Estádio Canarinho tem história. Parte dessa história é Reis, atleta do Baré, que fez o primeiro gol nesse estádio.

Comment

Par de jarras

Ouço a expressão “par de jarras” desde menino, quase sempre em comentários de mulheres sobre a coincidência de duas pessoas vestirem roupas iguaizinhas. Entre o espanto das duas, na maioria das vezes, transformado em ira profunda logo depois, até as piadas maldosas disparadas, o ambiente acaba contaminado.

Já presenciei situações constrangedoras, inclusive em eventos elegantes. Se compraram a roupa na mesma loja, sob a promessa de ser “modelo exclusivo”, as, digamos, vítimas voltam-se contra o vendedor. Nessa hora sobram adjetivos, muitos impublicáveis. Homens também protagonizam micos semelhantes.

Conheço casos ótimos. Um deles ocorreu em 1970, na redação do Jornal dos Sports, Rio de Janeiro. O repórter Altair Baffa, o Baffinha, vestia-se com elegância. Veterano na profissão, era um dos craques de sua geração. Naquele sábado, final de tarde, a redação fervilhava. De repente, alguém grita: “Abre alas, aí, pessoal. Está chegando um bloco. Pelo visto é grande”. Todos olharam para a enorme porta dupla, por onde entrou o então jovem repórter Marcelo Rezende, com sua cabeleira loura até o ombro, cheio de balanço. Ele tomou tremendo susto quando viu o Baffinha com a mesma roupa. Tudo igual: sapatos, meias, cinto, calça e camisa.

Baffinha partiu para o ataque. “Que palhaçada é essa, Marcelo?” Sem graça, o novato tentou reverter a situação: “Vi você usar, gostei, passei no seu alfaiate e mandei fazer igual. É homenagem, Baffinha.” A gargalhada dos colegas irritou ainda mais o veterano. “Homenagem é o cacete!”, reagiu. Antes de o problema tornar-se maior, até por causa das piadas, o editor Aparício Pires encerrou a discussão e determinou a volta ao trabalho.

Bem, pelo menos ele tentou evitar o assunto. O porteiro do jornal, avisado pela turma da redação, dava a dica a quem entrava no prédio: “O Baffinha e o Marcelo estão com a roupa igual”. Era a senha para a piada seguinte: “É dupla caipira?” E tome mais barulho.

Todos temos que assumir a responsabilidade de erradicar a poliomielite e o sarampo

Comment

Todo cidadão brasileiro tem obrigação de se empenhar no combate à poliomielite e ao sarampo 

Comment

Há alguns anos, o sistema universitário brasileiro inseriu a exigência do chamado Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). O aluno deve escrevê-lo em formato de monografia e apresentá-lo à Banca Examinadora composta por três professores.

Começou, então, a busca por temas interessantes, com potencial de produzir trabalho caprichado no coroamento de tantos anos de estudos. Nem sempre é fácil conseguir assunto inexplorado ou com viés diferente dos já abordados. Mesmo assim, alguns acham o caminho.

Rodrigo Baraúna estudou Jornalismo na UFRR no começo da década passada. Ele já era guitarrista solo da até hoje atuante Banda Garden - 20 anos de atividade completados em 2018. Acostumado ao sucesso, precisava manter a pegada.

Orientado pelo professor Maurício Zouein, craque em Semiótica, Rodrigo buscou o seu tema na floresta. Abordou a comunicação olfativa – sim, existe. Parecia brincadeira, mas o caso era sério. Jovens índios Yekuana vieram estudar em Boa Vista. Acostumados ao ambiente da maloca, desconheciam desodorante. Nos primeiros dias, os colegas ficaram nauseados. O mau odor estava insuportável. Os novos alunos apenas mantinham os hábitos da aldeia. Com jeito, a turma convenceu-os a usar Leite de Rosas. Eles adoraram a novidade. Com o novo aroma no ar, a comunicação fluiu sem problemas.

Ao voltar para a aldeia, nas férias, os estudantes mantiveram o novo hábito. Aí quem protestou foram os outros índios. Para eles, era inaceitável aquele cheiro estranho trazido da cidade pelos garotos. Criado o impasse...

Bem, o fim da história vocês podem conferir com o Rodrigo Baraúna, no Senac, ou depois de qualquer show da Banda Garden. Quem sou eu para tirar do amigo o prazer em falar de seu trabalho, avaliado pela Banca Examinadora com a nota 10.

Com ou sem Leite de Rosas.

Nem bem nos recuperamos da ressaca da Copa do Mundo, com a eliminação precoce do Brasil, e os burocratas da aviação já enfiam outro pepino – alimento quase sempre indigesto - na salada de quem viaja. Algumas empresas aéreas passarão a cobrar a marcação de assentos para passageiros com tarifas promocionais, caso você rejeite o lugar escolhido, aleatoriamente, pelo sistema da empresa.

Você odeia viajar na poltrona do meio ou nas últimas fileiras fundo do avião? Reze. A chance de cair nessas opções é de 1/3 dos casos. Parece pouco, mas torna-se preocupante quando nos lembramos da Lei de Murphy - “se pode dar errado, dará errado no pior momento possível”.

Mas a sempre atenta empresa aérea pode garantir sua preferência por módicos reais. Acesse o site da empresa, marque a sua opção, tenha à mão o velho e bom cartão de crédito – amigo de todas as horas nos tempos modernos – e boa viagem.

Imagine o custo de uma família com quatro pessoas, na mesma viagem, cada uma delas sentada em filas diferentes. Juntá-las oneraria o orçamento do grupo. Ou pode causar problemas ao ambiente a bordo. Afinal, com o comportamento expansivo – para dizer o mínimo – de nosso povo, seria normal presenciarmos cenas de comédia se a turma começasse a conversar à distância, em voz alta. Como controlar o desconforto?

Li que a medida já é adotada em países do Primeiro Mundo. E daí? Nosso campo de jogo situa-se no Brasil, onde certas agências reguladoras andam caolhas ao direito do consumidor faz tempo.

Evito repetir piadas, mas hoje não resisto. Depois de reduzirem a comida – em alguns casos, cobram -, cobrar despacho de bagagem e, agora, marcação de assentos, só falta as empresas aéreas cobrarem couvert artístico pelas informações passadas pela equipe de bordo durante o voo.

Boa viagem!

Não adianta ter uma penca de craques se não há quem os lidere

Comment

Descartada a suspeita de póiio na Venezuela, mas campanhas de vacinação devem ser atendidas

Comment

Embora as pesquisas feitas com os brasileiros nas últimas semanas apontem desinteresse do torcedor canarinho pela Copa do Mundo deste ano, torna-se inevitável falar sobre o assunto na crônica da semana. Quando escrevo o texto (terça-feira, 12), faltam 36 horas para a bola rolar na Rússia, quando os donos da casa enfrentarão a fraca seleção da Arábia Saudita no jogo de abertura. Se os russos perderem, foi a primeira zebra da Copa.

Se a tendência do brasileiro é nem dar bola para a competição da FIFA, como apontam as pesquisas, aposto na mudança da tendência caso o time do Tite dê aquela goleada cinco estrelas na estreia, neste domingo, 17. Aí volta a euforia natural. Porque o nosso povo é passional. O humor popular varia com os resultados. Basta ver o exemplo do Flamengo no Brasileirão. Depois de perder o Campeonato Carioca - a derrota provocou seis demissões do Departamento de Futebol, incluído o treinador Paulo César Carpegiani -, o time começou a ganhar, recuperou a confiança da torcida e, hoje, está em alta com a galera. Pelo menos até a maré virar, se virar.

Os últimos amistosos mostraram a seleção com entrosamento consistente, Neymar em grande fase, defesa segura, meio de campo produtivo. Se mantiverem o ritmo de jogo, as estatísticas pessimistas vão para o espaço e haverá carnaval em julho.

Quem trabalha com jornalismo esportivo deve evitar prognósticos. Comentaristas cansam de tropeçar nos palpites, para o acerto e o erro. Longe de querer adivinhar o futuro, sinto o momento positivo do time brasileiro como indicativo de excelente desempenho da seleção na Copa 2018.

Duro será comparecer ao expediente no trabalho depois de qualquer vitória em dia de semana. O teste será na sexta-feira, 22, depois do jogo contra a Costa Rica. Eu disse sexta-feira... O expediente nas repartições federais começará às 14h. Se o Brasil golear, segunda-feira sobrarão desculpas, inclusive esfarrapadas, para justificar a falta.

Vamos lá, Brasil!

Página 1 de 6
Top